O que há @qui?

... textos da minha autoria (ou com os créditos devidos se não forem) ... imagens da internet (algumas fotos minhas) ... poesia em prosa (e prosa poética) ... links poéticos (outros não) ... as minhas músicas (também as tuas talvez) ... comentários (ou não) ... eu e o meu narcisismo... somente!

...podi@ ser


Podia ser um grandioso poema
Porque queria dizer-to baixinho
Enlaçando as minhas pernas nas tuas

Podia ser uma longa e doce melodia
Porque queria sussurrar-te a música que ouço
Na lembrança muda de ti em mim

Podia ser uma montanhosa paisagem
Porque queria eternizar aquele local
Onde os nossos sonhos nos levaram

Nada disso é isto nem podia ser
Falta-me o terno tom da tua voz
Dando cor às palavras que, teimosa, guardo

@lexis

2014.12.02

só... qu@se

Abraça-me
Não digas nada nem penses
Abraça-me só

Beija-me
Não me olhes nem me toques
Beija-me só

Ama-me
Não penses se é dia ou noite
Ama-me só
Enquanto as palavras fluírem
E os pensamentos voarem

Enquanto o teu olhar me despe
E o teu toque me acende

Enquanto a noite vira dia
E o dia escurece

Vou estando aqui
Virando os dias
Em ti
Dentro de mim

@lexis

22.08.2014

@cordar


Passa rapidamente a hora, passa o tempo
E o relógio sabe que é mesmo este o instante
O tempo de o ver apenas passar.

Cai forte a chuva bate forte a tormenta
Sinto a alma, mea culpa, dormente
Sei que é a hora de me molhar!

Passa lenta a noite e ainda mais o dia
Vou tentando ler o pêndulo e os astros
Será hora de me deixar ir?

E entre mil passos e vinte compassos
Adormecida entre o ontem e o amanhã
Vagueio em mim e só quero acordar em ti…

@lexis

11ago2014

dóis-me



dói-me as palavras que não sei dizer
dóis-me na boca cerrada

dói-me o sentimento que não sei sentir

dóis-me dentro do peito

dói-me as lágrimas que já não choro
dóis-me no ventre vazio


dói-me o tempo de te esquecer
dóis-me dentro de mim


@lexis
7ago2014

ébri@


Tudo em mim é vento que vem do mar
Tempestade desmedida vendaval sem fim
Vontade de te querer abraçar e sentir em mim
É querer ter sempre esta vontade imensa de ti
Quero amar-te como a primeira ou a última vez
Vou continuar em frente firme e inabalável
Mesmo que adivinhe um abismo ao fim da estrada
Ando, tropeço, cambaleio e retomarei o passo
Ébria de excesso desta vida que não me chega
Sobras-me em sentimento e eu sobro em ti…

@lexis

21jul2014

"amor..."


Ouço numa voz sussurrante
As palavras que sempre gostei de ouvir
“Quero sentir a tua pele”
E então, calo lágrimas e palavras
Cansada de lutar guerras só minhas
E outras como se o fossem
Alguém lutou por mim?
Gostava de ouvir de novo

“amor…”

últimas palavras


Neste momento em que te escrevo
recordo-me com saudade
dos planos que fazia na minha cabeça
de como iria ser
se nos tivéssemos chegado a encontrar
 No último pôr-do-sol da minha vida
neste dia em que tudo se vai acabar
penso em tudo o que iríamos ser
se nos tivéssemos encontrado
sem ser em sonhos
 Quando a última palavra desta missiva
sair da tua boca que adivinho perfeita
estarei esperando-te ansioso
no portão de outro lugar qualquer
para te agarrar na mão e não mais largar
Ao leres as minhas últimas palavras
que agora te dedico, a tua amada
estará eternamente à tua espera noutro lugar
que almejo nos possa reunir finalmente
já que a vida o não fez

@lexis


t@lvez


nada sou
e provavelmente nunca o terei sido
mas deixem-me a ilusão
ou a parca lembrança que talvez
por um dia, uma hora, um minuto... fui!

@lexis

toque de pele


sem te tocar
recordo cada recanto do teu corpo

sem te ver
lembro o brilho dos teus olhos

sem te sentir
sei como ainda vibras em mim

sem ti 
vivo também sem mim

@lexis

...


Tenho em mim sonhos por reinventar
Enquanto a madrugada aquece o meu corpo 
Já arrefecido por não sentir o teu

dor de nad@


Doem as mãos
Do toque que já não existe

Arranham-me a garganta
As palavras que já não digo

Seca-me a boca
Pelos beijos que sufoco

E tudo o mais é um nada
De um tudo que já nem sinto

@lexis

Obrigad@


Abraço-te em sonhos – o etéreo não se toca
Falo-te sem palavras e sei que me escutas
Com aquela certeza que só os levemente loucos têm
Pergunto-te o que duvido – em silêncio e só para nós
E respondes com sinais que só eu entendo

Abraçada estavas já pelo frio eterno de Morpheu
Naquela hora em que mesmo daqui a cem anos seria cedo,
No momento em que o calor de quem te ama de nada serviu.
A certeza de nada poder fazer deixa-nos inertes,
Entregues à duvidosa justiça que nos leva de nós
Quem nos deu o bem mais precioso que temos - a Vida!

Obrigada Mãe.


...


E porque hoje me sinto assim
Sufocada pelo sal das ondas
Sentindo o vento que vem do mar
Em cada um dos meus poros
A boca sabe-me a amargura
E esmagada pela areia da praia
Sinto o peso de mil marés
Em busca de um porto seguro

perto t@o longe


mesmo que já tivesse começado quando nasci
e já só termine quando morrer um dia
não consigo dizer o que sinto por palavras

ainda que o começo de toda uma vida tarde
e o fim que se adivinha na morte se me acabe
o perto de estar em ti continua assim longe

@lexis

hoje n@o

 
Hoje não
Hoje preciso de contemplar o sol
E imaginar-me numa praia deserta
 
Hoje talvez
Seja o dia para saborear as ondas
 
Hoje não
Hoje preciso de erguer a cabeça
E pensar que me falta meia vida
 
Hoje talvez
Seja o dia para dizer todas as verdades
 
Hoje não
Hoje tenho de ler aquele livro
Que prosa sobre um mundo melhor
 
Hoje talvez
Seja o dia para eu o começar a escrever
 
Hoje não
Hoje tenho de ouvir música e cantar
E rir como se disso dependesse o meu respirar
 
Hoje talvez
Seja o dia para compor uma canção
 
Hoje não
Amanhã fico triste
Hoje não
 
@lexis
8/Março/2014